Quinzinho de Portugal

Rosinha, Contacto Rosinha, espectaculos, Artistas portuguesas, Artista Rosinha, Cantora Rosinha, espectaculos, contactos, festas, concertos, Rosinha, artistas portuguesas, cantoras portuguesas, musica popular, telefone da Rosinha
Rosinha
13 Janeiro, 2018
Banda Toc&Foge, Grupos Musicais, Grupos de baile, musica de baile, conjuntos musicais, bandas de baile, conjuntos de baile, Grupo Toc&Foge, Grupo Musical Toque e Foge, Arraiais, Grupo Musical, musica de baile, bandas, bandas de baile, baile, bailes, grupos, grupo musical, grupos musicais, musica para dançar, grupo musical, conjunto musical, Conjuntos Musicais, grupo de baile, grupos de baile, festas, arraial, arraiais, bandas de musica, grupos de musica, grupo de musica
Banda Toc&Foge
11 Janeiro, 2018

O Quinzinho de Portugal é um artista português que compôe músicas, canta e ainda faz uns espectáculos de stand-up por Portugal fora. Começou por contar umas anedotas e piadas por festas e clubes de Portugal até que arranjou um contracto com uma editora que o levou a gravar 4 albums pimba/comédia, entre eles: Bacalhau Pimba, O Sousa da Ponte, O Sousa no Alentejo e O Sousa no Mundial que tiverem imenso sucesso no final dos anos 90 embora o “O Sousa no Mundial” já tenha sido lançado no novo milénio.
(in Quinzinho de Portugal)

Quinzinho de Portugal

Continua muito jovem o nosso SOUSA, e a boa disposição não falta no espectaculo… que para alem de divertido e continua com boa dinâmica.

O nosso Quinzinho de Portugal é um entertainer com uma carreira de décadas de grandes espectáculos.

O artista apresenta um espectáculo com bailarinas que pode apresentar na sua festa.

O artista

 

Nas minhas canções há ingredientes culturais’

A vida dá muitas voltas…

Que o diga Joaquim Caixeiro, de 53 anos. Foi jogador de basquetebol, pertenceu ao grupo Brigada Victor Jara, trabalhou numa Companhia de Seguros, actuou em bares como cantor e entertainer humorístico…
Até que um dia decidiu criar uma personagem e lançar um disco a brincar com a música pimba. Nascera o Quinzinho Portugal! Foi a música dos anos 60 e 70 que na juventude o despertou para o fenómeno musical. “Eu não fui alheio ao boom dessa época e como tinha um certo jeito para tocar e cantar dediquei-me um bocado à música e andei por aqueles conjuntos de garagem e de festas que interpretavam versões de temas anglo-saxónicos. Eu cantava e tocava bateria e percussões”, recorda Quinzinho Portugal. Joaquim Caixeiro viveu grande parte da sua juventude em Angola, residindo em Luanda entre os 12 e os 26 anos. E lá, para além do gosto pela música, desenvolveu também uma carreira desportiva como jogador de basquetebol. “Jogava na posição de base e fui campeão nacional pelo Sport Luanda e Benfica, em 1967 – nessa altura os campeonatos eram disputados com os campeões de Angola, Moçambique e Portugal continental.” Quando voltou a Portugal, em 1974, ainda jogou no Sporting Conimbricense e na Académica de Coimbra. “Joguei até perto dos 30 anos mas sempre mantendo a actividade musical em paralelo, como hobbie.” Tanto a música como o basquete não eram nessa altura o seu ganha pão. “A minha actividade profissional foi, durante 14 anos, desenvolvida numa companhia de seguros.”

A ‘esquerda festiva’ na Brigada

Em Coimbra, através de José Maria Vaz de Almeida, um amigo de Angola ali reencontrado, Joaquim Caixeiro é convidado a ingressar no grupo Brigada Victor Jara. “Eles tinham começado há poucos meses e como estavam a precisar de um percussionista e de um cantor convidaram-me. Entrei já na fase dos espectáculos, pois a génese da banda deu-se através das, então designadas, brigadas de alfabetização, onde não cheguei a participar.” Joaquim seria a voz original do grande êxito da Brigada, inserido no álbum de estreia “Eito Fora”, o “Pezinho da Vila” – “Ponha aqui o seu pezinho, devagar devagarinho…” Dentro do trabalho de recolha do cancioneiro tradicional que a Brigada fazia “fomos buscar esse tema aos Açores. Foi a minha mãe, que é açoriana, que nos deu a conhecer essa canção”. Com a Brigada Victor Jara em período de intensa actividade, realizando espectáculos pelo País inteiro e no estrangeiro, Joaquim Caixeiro viveu “uma altura muito rica de experiências, de aquisição de conhecimentos, o que me deu uma visão do mundo completamente diferente”. Pouco identificado com opções políticas – pois “vim de África completamente tapado nessa matéria” – quando chegou a Portugal entrou “na chamada esquerda festiva… Viajava-se, tocava-se, bebia-se uns copos, havia umas miúdas giras e aquilo era muito engraçado. Acção política, propriamente dita, nunca tive. Vivi a coisa mais pelo lado lúdico.” Joaquim Caixeiro permanece no colectivo da Brigada Victor Jara durante seis anos, período durante o qual participou em três álbuns – “Eito Fora”, “Quem Sai Aos Seus” e “Tamborileiro”. Em 1981 é reintegrado nos quadros da Companhia de Seguros para quem já havia trabalhado em Angola, acabando por conseguir colocação numa delegação em Lisboa. Na capital, em pleno centro nevrálgico da actividade musical portuguesa, tem oportunidade de colaborar com o cantor Carlos Mendes no projecto “Triângulo do Mar”, bem como com Pedro Osório e Carlos Alberto Moniz. “Ajudei-os em alguns espectáculos, tocando percussões ou fazendo coros, pois eu não sou exactamente um músico ou compositor.” Mas não deixa de ser um letrista que gosta de escrever os seus próprios textos de humor. “Essa minha veia humorística levou-me a actuar em bares aos fins-de-semana. Cantava e dizia umas piadas.” Como viu que com essa actividade podia ganhar a vida e “por estar farto do nine to five da companhia de Seguros, sub-aluguei um bar, a Casa da Lina”. Seis meses depois decidiu comprar e montar a sua própria casa, o “Vicente Borga Bar”, na Madragoa.

Quinzinho e o ‘Sousa’

Durante dez anos o Vincente Borga Bar “esteve cheio todos os dias”. E Joaquim Caixeiro animava o palco todas as noites. “Sempre com a ideia de um dia vir a gravar um disco a solo, mas como sou muito preguiçoso fui adiando e dando textos meus a outros artistas, como o Fernando Pereira.” Em 96, Joaquim consegue finalmente “vencer a inércia” e decide avançar para a gravação de um disco, apresentando-se para tal sob o nome de Quinzinho Portugal, assumindo um visual que inclui barrete de campino, óculos escuros, camisola da selecção nacional, fios de ouro… “Tentei reunir alguns elementos simbólicos de Portugal dentro dessa figura. Foi uma personagem que criei – porque quis salvaguardar um bocado a minha imagem.” Editado em pleno boom da música pimba, o disco foi um enorme sucesso. “Tentei ridicularizar e caricaturar um bocado tudo aquilo… Mas se as pessoas ouvirem bem as minhas canções perceberão que há ali ingredientes culturais e com alguma mensagem.” Do álbum de estreia de Quinzinho Portugal, intitulado “Bacalhau Pimba”, destacou-se o tema “Sousa da Ponte”. “O Sousa é uma personagem nortenha, um pintas, uma espécie do Esteves do Herman.” No ano seguinte, Quinzinho Portugal volta à carga com o CD “O Sousa no Alentejo”. “Foi para descentralizar um bocado, até porque as pessoas já estavam a querer colar-me ao Futebol Clube do Porto.” O sucesso continuou a não querer descolar de Quinzinho Portugal, tanto mais que o artista, apesar de não editar nada há cerca de quatro anos, mantém vivas as solicitações para espectáculos. “Tenho este Verão completamente preenchido com actuações, o que ainda se deve à popularidade desses dois discos.” E quanto ao seu terceiro álbum, a sair provavelmente perto do final do ano, Quinzinho Portugal deixa desde já o título: “A Berdadeira Estória do Sousa”.

Amílcar Fidélis / Correio da Manhã, 27/07/2001

(in http://arquivopimba.blogspot.pt)

Espectaculos

Joaquim Caixeiro é um cantor conhecido como Quinzinho de Portugal.

Angola
Viveu grande parte da sua juventude em Angola, residindo em Luanda entre os 12 e os 26 anos. Foi jogador de basquetebol e ainda trabalhou numa companhia de seguros.

Portugal e Brigada Victor Jara
Vem viver para Coimbra e é convidado a ingressar no grupo Brigada Victor Jara porque estavam a precisar de um percussionista e de um cantor. Joaquim seria a voz original do êxito “Pezinho da Vila” (“Ponha aqui o seu pezinho, devagar devagarinho…”). A sua mãe é açoriana e foi ela quem lhes deu a conhecer essa canção.

Com a Brigada Victor Jara realizou espectáculos pelo País inteiro e também no estrangeiro. Permaneceu no grupo durante seis anos, até 1981, período durante o qual gravaram três álbuns – “Eito Fora”, “Tamborileiro”[1] e “Quem Sai Aos Seus”.

Em Lisboa
Em 1981 é reintegrado nos quadros da Companhia de Seguros para quem tinha trabalhado em Angola, acabando por conseguir colocação numa delegação em Lisboa. Na capital tem oportunidade de colaborar, como percussionista e cantor, com o cantor Carlos Mendes no projecto “Triângulo do Mar”, bem como com outros músicos como Pedro Osório e Carlos Alberto Moniz.

Durante mais de dez anos actuou em bares como cantor e entertainer humorístico. Também escreveu para outros artistas como Fernando Pereira.

O Artista

Quinzinho Portugal
Em 1996 grava um disco sob o nome de Quinzinho Portugal, assumindo um visual que inclui barrete de campino, óculos escuros, camisola da selecção nacional e fios de ouro. Do álbum de estreia, intitulado “Bacalhau Pimba”, destacou-se o tema “Sousa da Ponte”. No ano seguinte foi editado o CD “O Sousa no Alentejo”.

Em 2002 foi editado o disco “Sousa No Mundial” que incluía a faixa “A Berdadeira História do Sousa”. Em 2012 lançou “Bestove” com os temas “É Portugal”, “Vem ao cuduro”, “Bolo da noiva”, Casamento livre”, “Mete a camisinha”, “A…pita…delas”, “Bacalhau pimba”, “Frango livre”, “Topless meu amor esquece”, “Baile braikado”, “No bairro da Madragoa” e “Comer e beber no meu país”.

(in: wikipedia)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *