João Pedro Pais – Nada de Nada

João Pedro Pais – Louco por ti
26 Novembro, 2016
Rui Veloso – Anel de rubi
26 Novembro, 2016
+

Quando adormeces e fica um vazio
Quando me tocas o corpo quieto e frio
Mesmo que o sintas não dizes nada
Quando me abraças tudo estremece
Quando me beijas o escuro enlouquece
Tu não sentes nem sabes nada

Não dizes nada se não estou
Ficas calada se me vou
Tu não sabes nada de nada
Pouco te importa a quem me dou
Nunca lutaste por quem eu sou
Eu estava certo e tu errada

Quando me aqueces fico nos teus braços
Quando me esqueces eu perco os teus passos
Nem tu sentes mesmo nada
Quando o teu suspirar rompe o silencio
Quando te perdes por momentos
Tu não sabes mesmo nada, nada ….

Não dizes nada se não estou
Ficas calada se me vou
Tu não sabes nada de nada
Pouco te importa a quem me dou
Nunca lutaste por quem eu sou
Eu estava certo e tu errada

Quando te toco pela ultima vez
E o trem arranca depois das três
A hora, já estava marcada

Não dizes nada se não estou
Ficas calada se me vou
Tu não sabes nada de nada
Pouco te importa a quem me dou
Nunca lutaste por quem eu sou
Eu estava certo e tu errada

Não dizes nada ficas calada
Tu não sabes nada de nada

Biografia João Pedro Pais

Com uma carreira artística de mais de uma década, centenas de concertos, e cerca de 420 mil discos vendidos, João Pedro Pais é hoje um dos artistas mais acarinhados pelo público português. Desde a sua estreia em 1997, com o disco “Segredos”, cedo se revelou um campeão de vendas e capaz de compor canções que rapidamente se tornam emblemáticas.

Até à data, editou 6 discos de originais: “Segredos” (1997), “Outra Vez” (1999), “Falar Por Sinais” (2001), “Tudo Bem” (2004) “A Palma e a Mão” (2008), e “Desassossego” (2012).
Pelo meio, deu vida ao projecto “Lado a Lado” (2006), juntamente com Mafalda Veiga, uma colaboração que superou todas as expectativas e que culminou com concertos esgotados nos Coliseus de Lisboa e do Porto, em 2010 lança o seu 1º DVD, “Coliseu”, gravado ao vivo no Coliseu de Lisboa, e ainda em 2013 participa no álbum “Voz e Guitarra 2”, onde interpreta dois temas, um deles, uma interpretação magnífica e muita aplaudida pela crítica, de um tema de Fausto Bordalo Dias, “Lembra-me Um Sonho Lindo”.

Em 2003 é convidado a fazer a 1ª parte da Tournée Ibérica com Bryan Adams. Os espectáculos, absolutamente esgotados, levam ao rubro milhares de fãs, tornando-se numa das participações mais gloriosas do seu percurso enquanto compositor e intérprete.

No ano seguinte actua na primeira edição do Rock In Rio – Lisboa, ao lado de muitos nomes internacionais, e em que provou mais uma vez estar à altura do momento, presenteando com um magnífico concerto os milhares de fãs que enchiam o recinto. Voltaria ao palco do Rock In Rio em 2010.

O ano de 2009, veio reconfirmar o Artista como um dos grandes nomes nacionais, com uma Tour extensa de norte a sul do país, e arquipélagos, que culminou com dois grandes espectáculos nos Coliseus.

O grande momento, que foi a estreia em nome próprio nos Coliseus de Lisboa e Porto, será lembrado como um dos pontos mais altos na carreira de João Pedro Pais. Com ambas as salas lotadas, apresentou uma grande produção num espectáculo cuidado e envolvente, emocionando os fãs que se renderam ao seu talento e carisma. Estas duas noites ficaram ainda marcadas pela participação dos convidados especiais Jorge Palma, Zé Pedro (Xutos & Pontapés), Massimo Cavalli (contrabaixo) e Orquestra Sinfonietta de Lisboa, que se juntaram a João Pedro Pais em momentos surpreendentes.

Em Outubro de 2010, chegou ao mercado o tão aguardado cd/dvd do concerto no Coliseu dos Recreios, naquele que foi o primeiro DVD na carreira de João Pedro Pais. Uma edição de grande qualidade que rapidamente chegou ao 1º lugar do top nacional de vendas e que
se manteve por vários meses no top 5 dos discos mais vendidos em Portugal, tendo de novo atingido a Platina.

O Verão de 2013, onde continua a mostrar porque é um dos Artistas mais importantes do panorama Nacional, com uma tourné extensa, com espectáculos sempre lotados, termina com outro grande momento da sua carreira, a sua estreia em nome próprio no Grande Auditório do CCB, onde esgota duas datas, num espectáculo acústico e intimista, especialmente preparado para esta emblemática sala de Lisboa, que conta com a participação do Quarteto Atlântico, e
que deixa o seu público mais uma vez rendido.(in Facebook)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *