Ao passar a ribeirinha

António Mourão – Oh tempo volta para trás
27 Novembro, 2016
Não quero que vás à monda
27 Novembro, 2016
+

Ao passar a ribeirinha

Ao passar a ribeirinha
Pus o pé, molhei a meia,
Pus o pé, molhei a meia,
Pus o pé, molhei a meia!

Namorei na minha terra,
Fui casar em terra alheia,
Fui casar em terra alheia,
Porque não fiquei na minha!

Fui casar em terra alheia,
Minha mãe não me ralhou;
Minha mãe já não se lembra
Do tempo que já passou!

Do tempo que já passou,
Do tempo que já lá vai,
Minha mãe já não se lembra
Quando namorou meu pai!

Minha mãe casai-me cedo,
Que me dói a passarinha!
Ó filha coç’à c’o dedo,
Que eu também cocei a minha!

O padre da minha aldeia,
No sermão do mês passado,
Jurou p’la saúde dos filhos
Que nunca tinha pecado!

São Gonçalo de Amarante,
Que estais virado pr’á vila,
Virai-vos pró outro lado,
Que vos dá o sol na pila!

Fui um dia ao cemitério
E pisei as campas todas;
Levantou-se um morto e disse
«Talvez um dia tu morras!»

Santo António de Lisboa,
Que pr’a mim foste um cabrão,
Das três pernas que me deste
Só duas chegam ao chão!

O cão da minha vizinha
Pôs-se na minha cadela;
Vou fazer o mesmo à dona,
Pr’a ficar ela por ela…

Santo Cristo dos Milagres
Casai-me que bem podeis!
Já tenho teias de aranha
no sítio que bem sabeis

link ao vivo com Jorge Ferreira  – Ao passar a ribeirinha
link do video dos TABU deste tema tradicional dos Açores e Alentejo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *